E o amor frutificou


Hoje comemora-se nos Estados Unidos o “Valentine’s Day”. Talvez outros países  também comemorem a data, mas desconheço. Minha cultura universal não vai muito além dos filmes de Hollywood.

O tal dia nos namorados em data errada surgiu em homenagem a alguns mártires cristãos pré-idade média. O papa Paulo VI desistiu de listar estes mártires como santos em 1969, mas como ninguém lembrava deles mesmo, não fez diferença alguma.

Certo é que tomos amamos o amor. O amor é ovacionado em filmes, retratado em livros, discutido em revistas, teorizado em novelas, vivido por poucos e compreendido por quase ninguém. Mas está aí e ninguém consegue viver sem ele. Nada pior do que passar o dia dos namorados sozinho. Mesmo assim, neste ano, parece que os

.

Muito interessante que ontem fui fotografar a Fernanda e o Eduardo, acompanhados do Tiago e do Lucas, que está para chegar em breve. Além de ser uma honra poder fotografar uma família tão querida quanto bela, é algo que me satisfaz. Registrar o amor de um casal e a união de uma família é algo que mexe comigo. Será porque é algo que não vivi na infância?

Vejo muitos marmanjos que não gostam dos filmes

Mais um fruto deste amor está chegando. Enquanto o Lucas não vem (e com ele, mais fotos), veja mais um pouco do

.

Se fotografar uma história de amor é gratificante, viver uma é ainda melhor.

Tem sempre um caso interessante para contar. Nesta foto, a gente estava se preparando para uma noite havaiana. Nem lembro da festa. Certamente não tinha muita coisa do Havaí. Macadamia, por exemplo, tenho certeza que faltou.

Eu, porém, fiz o melhor que pude. A camisa foi comprada no Havaí, apesar de feita na Indonésia. E estou falando do Havaí mesmo, o arquipélago. Trouxe 3 camisas de lá que fizeram sucesso no trabalho. Acabei dando uma pro Cidão, que não parava de elogiar. Na mesma viagem trouxe ainda para a Carina um daqueles conjuntos de sutiãs de côco e saias de sapê. Não foram usados nesta festa e nem na festa bem restrita que eu havia Imaginado. Ainda não desisti. Já as flores são nacionais, made in China.

Amor combina com festa e festa combina com criança e festa de criança combina com mico dos pais. Tudo pelo amor.

O Batman está meio caído, mas quem roubou a cena foi a vela. Repare também na mulher gato.

Amor também lembra festas mais sérias, cheia de gente arrumada. Os homens, quando muito, se vestem como pingüins. As mulheres usam as cores mais variadas e os modelos mais diversos na expectativa de evitar ver alguém vestindo algo parecido. Nunca entendi porque isto seria um problema. Neste caso, o roxo predominou.

Amor bom é como um trem. Você embarca e não dá para sair antes de chegar ao final.

Mesmo porque não existe a última estação neste trem do amor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.