Congelando a ação


Velocidade 1/200s, Abertura f/2.8 Iso 200, usando flash SB-900

Há muitas definições interessantes para fotografia e uma que eu gosto muito é “congelar o momento”. Apesar da definição significar eternizar o momento, manter a recordação intacta, guardar a memória, ela evoca outra definição, desta vez relacionada à técnica: é quando fica nítido pelo contexto que havia um movimento rápido mas na fotografia está tudo parado, sem rastros, como se o segundo fosse eterno.

Alguns elementos são importantes para conseguir uma foto de ação que tire o fôlego. Vamos falar sobre os 3 mais importantes: Velocidade, Foco e Luz ambiente. Outro dia eu vou falar sobre como deixar o movimento implícito na fotografia.

, até óbvio, é a velocidade do obturador. Pode-se dizer que é o único fator que realmente importa e que os demais são secundários ou derivados. Para congelar a imagem, é preciso que todo o objeto fique nítido na foto, que cada ponto esteja ‘parado’ enquanto o obturador estiver aberto. É intuitivo que quanto mais rápido for o movimento, mais rápida precisa ser a exposição. Enquanto uma velocidade 1/125 é suficiente para congelar retratos, não é suficiente parra congelar um menino em uma cama elástica. Enquanto 1/200s congelou o Gabriel na cama elástica, não congelaria um carro de corrida. Compare  o resultado na diferença de velocidade das fotos abaixo, de um chafariz na Praça da Liberdade em Belo Horizonte:

Velocidade 1/250, abertura f/4.2, Iso 100

fator muito importante é o foco. Como o assunto está em movimento fica bastante difícil (ou mesmo impossível) de focar manualmente. Antigamente, antes do foco automático, e hoje, quando o foco automático não é bom o suficiente, a estratégia era ajustar o foco para o ponto onde o assunto estaria em algum momento futuro e quando o assunto chegasse lá o disparo fosse feito. Para fotografar crianças em balanço funciona bem! A foto abaixo foi feita usando esta técnica:

Velocidade 1/800s Abertura f/8 Iso 100

Se o auto-foco é bom o suficiente a vida fica mais fácil a foto abaixo foi feita no auto-foco:

Velocidade 1/30s, Abertura f/1.8, Iso 500

É nesta hora que o preço do equipamento faz a diferença. Na foto acima já é perceptível o ruído nas partes onde há pouca luz. É a minha Nikon D80 mostra sua fraqueza. Apesar do ambiente ser completamente diferente, repare que a foto abaixo, tirada com minha Nikon D700 tem menos ruído apesar de ter sido tirada em Iso 6400:

Velocidade 1/40s Abertura f/4 Iso 6400 (Veja que 1/40s foi suficiente para ‘congelar’ o peixe) 

É isto aí. Até mais!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.