Machu Picchu, visitando uma maravilha


Vir ao Peru, como turista, significa conhecer Machu Picchu. O ponto turístico mais visitado da américa latina fica a 3 horas de viagem de Cusco, sendo 1,5h de ônibus e 1,5h de trem. Como os horários do trem são definidos para possibilitar que a ida e a volta aconteçam no mesmo dia, a viagem se torna mais cansativa por termos que acordar bem cedo.

A viagem é impactante o tempo todo. No percurso de ônibus avistamos a cordilheira coberta de neve eterna, com seus picos despontando sobre as nuvens. Ônibus pequeno, lotado, janelas sujas e muito frio. Não deu para tirar nenhuma foto. Mas ao chegarmos à estação de Ollantayatambo, encontramos a confusão típica de um mercado. Mesmo assim ficamos espantados de ver, no meio da confusão, peruanos fazendo o trabalho de burros de carga, correndo ladeira acima com trouxas aparentemente muito pesadas, vindas do trem recém chegado.

 

Até agora não entendi o sentido de vendedores de tapetes ficarem exibindo seus produtos para os passageiros já embarcados. Será que eles acham que alguém vai descer para fazer uma compra no início da viagem?

O trajeto da estação de trem em Águas Calientes até Machu Picchu é feito por pequenos ônibus, percorrendo um trajeto de 10 km em meia hora. Olhando no mapa, a distância é de menos de 2km. O trajeto é muito sinuoso para possibilitar a subida da montanha. Veja como, visto de Machu Picchu o trem fica minúsculo lá em baixo. A vista é maravilhosa.

Passando da entrada já começamos a ficar impressionados, tanto com a vista quanto com as construções que começam a aparecer.

Há um trabalho constante de restauração e conservação. Dá para ver que a inclinação é forte e mesmo assim nossos amigos fazem uma gambiarra para apoiar a escada.

Do primeiro mirante conseguimos ter uma idéia do que será o passeio. Lá no topo da montanha ao fundo fica o Tempo da Lua. É preciso chegar em Machu Picchu às 6h para conseguir visitá-lo, já que apenas 400 pessoas diariamente podem subí-lo. É uma subida de (mais) uma hora e bastante difícil. No nosso passeio vamos percorrer todas as partes da cidade (deste ponto de vista) abaixo.

Outra forma de chegar a Machu Picchu é pela

. É uma trilha com início em Ollantayatambo que leva 4 dias para ser concluída. Ainda volto para fazê-la. Acima vemos o finalzinho da trilha, chegando ao ponto mais alto da cidade. Lá os peregrinos descansavam e se purificavam antes de adentrar à cidade.

Vemos aqui a parte superior da cidade (ao lado da Carina) onde ficam o observatório astronômico, templos e o palácio real.

É grande o número de grupos guiados. Esbarramos com eles o tempo todo, esperando e deixando alguém esperar. Muito comum ouvir guias falando em inglês e às vezes ouvimos em alemão. Eles contam muitas estórias e casos, explicando cada pedra, construção e decisão arquitetônica. Acham sentido espiritual para tudo. Sei não, tem hora que acho que são muito criativos.

Se observar bem, verá que há dois tipos de pedra. As menores, se entendi direito, não são originais, fazem parte do processo de restauração. Nesta porta vemos as rochas talhadas, possivelmente para suportar algum tipo de fechadura.

Há mais de 300 tipos de orquídeas na região. Não acho isto interessante ou curioso, mas estou repassando o peixe do jeito que comprei. De qualquer forma, é bom saber que você verá algo além de pedras velhas.

Vai chegando o final da visita e o cansaço já está pesando. Uma pausa para recuperar as forças é bem vinda.

Vamos chegando ao final do passeio. Se quiser ver

, basta olhar na

.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.